Deixai vir a mim as criancinhas

18 de maio de 2017     0

A comunicação dos valores do Reino e o poder transformador do Evangelho

Uma menina tímida que se tornou bailarina. Um menino gentil que virou traficante. Uma adolescente rebelde que hoje é pedagoga e ensina a muitos. Trabalhando com crianças por anos, acompanhei esses três e muitos outros. Às vezes aqueles que achávamos que tinham tudo para “dar certo”, não deram, enquanto outros surpreenderam. O Evangelho, as Boas Novas de Cristo, não são apenas para a salvação da humanidade, atingem e restauram cada centímetro desse mundo e da experiência humana. Essa é a mensagem que devemos apresentar e para tal é preciso viver seus princípios e valores intrínsecos como a verdade, a justiça e o amor.

Durante o seu processo de formação a criança olhará para aqueles que a cercam. Nos detalhes estão grandes lições que ela levará para toda vida. O professor que a trata com dignidade, a mãe que escolhe falar a verdade, o pastor que a serve ou através da missionária que demonstra paciência apesar das diferenças. A criança deve compreender os valores do Reino e o poder transformador do Evangelho, assim ela passa a ter um senso de destino, sabe que é amada pelo seu Criador. Ela não precisa crescer para ser cristã. Essa criança ama hoje, serve e testemunha no presente.

Uma das crianças com as quais trabalhamos faleceu, seu nome era Osvaldo. Quando o conheci, no ano de 2013, tinha apenas dez anos, ele era do grupo de atletas que temos. Nós selecionamos os mais velhos, que têm mais dificuldades para ler e escrever, e nosso objetivo é despertar neles o desejo de aprender mais e começar a frequentar uma escola. Osvaldo era meu melhor aluno e mesmo sabendo muito mais do que uma criança de seis anos ele começou em janeiro o primeiro ano escolar e se orgulhava disso. Que privilégio representar o Reino para esse pequenino.

Penso em pessoas como o Dailor e muitos jovens que conhecemos quando eram adolescentes e que hoje, alcançam o coração de muitas crianças com o amor de Deus. O garoto Osvaldo compreendeu o Evangelho e apesar de toda injustiça social a qual foi exposto, o que mais importa agora é que ele recebeu e experimentou as Boas Novas. Em muitos momentos da caminhada veremos nossas expectativas frustradas e em outros a alegria será tão grande que nos sentiremos pequenos ao olhar para tão maravilhosa obra. De uma forma ou de outra, não podemos desanimar, devemos andar naquilo para o qual fomos chamados. Ao final de tudo, a obra é de Deus e não vai parar. “De modo que não importa nem o que planta nem o que rega, mas sim Deus, que dá o crescimento.” (1Co 3.7).

 

Autor: Rebeca Almeida

Missionária em Joanesburgo, África do Sul. Casada com Paulo César (Pr. Cesinha). Mãe de Ana Victória (18), João (9) e Ana Sofia (8). Missionários da Comunidade Cristã da Zona Sul de BH, responsáveis pela Associação Corredores do Reino no Brasil e em Moçambique

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *