Filhos de missionários são como árvores

25 de agosto de 2017     0

Os desafios, alegrias e aprendizado

Festa do dia das crianças no CECORE

Eu e minha família vivemos por sete anos em Moçambique -África, estes foram anos de muito aprendizado. Vivemos alegrias, tristezas, momentos difíceis, nos quais acredito que foram apenas uma maneira de Deus me ensinar e trabalhar em diferentes áreas da minha vida. Como em qualquer outra frente de trabalho, ser um missionário tem desafios e benefícios. Eu poderia escrever um livro contando minhas experiências no campo e foram todas elas que me fizeram a pessoa que sou hoje.

Algo que todo filho de missionário precisa encarar é a dificuldade de lidar com a incerteza. Não saber quando Deus vai nos tirar de um lugar e nos mandar para outro pode ser um pouco frustrante. Existe um livro que diz que filhos de missionários são como árvores, uma vez são plantadas, crescem, ficam bonitas e com suas raízes fortes e saudáveis até que a árvore é cortada e levada para ser replantada em um outro terreno. Eu gosto muita dessa ilustração, mesmo que ela pareça ser um pouco assustadora, é exatamente dessa forma, somos árvores.

Grupo de jovens em Moçambique

O desafio não é apenas a mudança geográfica que ocorre ao mudarmos de país, mas o fato de precisarmos nos encaixar em uma cultura diferente, de nos relacionarmos com pessoas de outras religiões, o que às vezes pode ser difícil, de termos que aprender uma nova língua etc. Por mais que tudo isso seja desafiador, fazer parte dessas grandes mudanças é uma bênção. Tenho a oportunidade de conhecer lugares e ter experiências que alguém que nunca deixou sua pátria jamais  conseguirá experimentar.

Sobre parte das minhas experiências posso enumerar aprendizados como minha fluência em inglês, o desenvolvimento de amizades com pessoas preciosas que levarei comigo para resto da minha vida, e de obter conhecimento sobre diferentes religiões como o islamismo e o hinduísmo. Sem mencionar o fato de como eu aprendi a perceber a presença de Deus na minha vida e da minha família com clareza e profundidade únicas.

Certificados de excelência que recebi da escola

Nada nunca nos faltou, Deus sempre levantou pessoas para nos abençoar, e posso dizer que já perdi a conta de quantos milagres Ele realizou em nossa vida. Passamos por situações em que amigos, pastores e líderes da igreja nos traíram, nos roubaram, situações em que não compreendemos o por quê de tudo o que estava acontecendo, mas o Senhor sempre se fez presente, trabalhando e desenvolvendo a nossa paciência, compaixão e amor pelo próximo. Os momentos difíceis nos ensinaram muita coisa, os momentos bons vão ficar guardados na nossa memória.


Ter saído do meu país de origem me ajudou a perceber o quanto dependo de Deus, o quanto preciso Dele em todas as áreas da minha vida e não tem nada que se compare com chegar a essa conclusão. Por isso, hoje acima de tudo, agradeço muito ao Senhor por ter me dado a oportunidade de fazer parte de tudo isso.


Por estar em idade escolar muitas vezes me senti inútil por não estar presente no projeto desenvolvido pelos meus pais e poder ajudá-los de maneira mais efetiva. Sentia que não estava fazendo o que Deus queria que eu fizesse, foi então que descobri que eu poderia ser a “missionária” que Deus queria que eu fosse onde quer que eu estivesse, eu não precisava estar dentro de um projeto para fazer isso.

Nossa missão é pregar o evangelho, ter deixado meu país para fazer isso não quer dizer que você não possa e não deva fazer o mesmo em seu trabalho ou em qualquer outro lugar. Há quatro meses nos mudamos para a África do Sul e não sei quando Ele nos enviará para outro lugar, mas sei que Ele está no controle de tudo. “Porém Deus, na sua graça, me escolheu antes mesmo de eu nascer e me chamou para servi-lo”– Gálatas 1.15.    

 

Autor: Ana Vitória Fonseca

Filha de missionários, vive já por sete anos em Moçambique -África.