Reino Unido

Por Redação Povos e Línguas     19 de maio de 2017     0

Por Lourenço Kraftt

Conflitos históricos e o avanço do secularismo

Reino Unido é uma região formada por quatro países: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Os cristãos se dividem em três tradições: anglicana, católica romana e outras denominações cristãs. Durante os últimos 50 anos, o número de católicos se manteve relativamente estável. De acordo com o Estudo do Eleitorado Britânico realizado em 2015, o número de anglicanos decresceu para a metade, e os batistas, metodistas, presbiterianos etc. caíram dois terços.

A Igreja Britânica está em declínio há décadas. O número de católicos seria menor ainda, se não fossem os muitos imigrantes da Polônia e da Romênia. A quantidade de protestantes também seria menor sem o crescimento das igrejas de imigrantes pentecostais de origem africana. A história da Grã-Bretanha, ou Reino Unido, e de seus vizinhos é repleta de conflitos religiosos de todos os tipos. Durante séculos pareceu que os conflitos entre a França católica e a Inglaterra protestante não teriam fim.

Essa rivalidade pode ser a causa do secularismo que agora cobre a região. Atualmente 48% da população do Reino Unido se denomina cristã e 45% alega não ter fé nenhuma. Muçulmanos, budistas, judeus, sikhs e outros compõem os 7% restantes. Estima-se que, até 2020, a maioria dos habitantes dessa região venha a se declarar “sem religião” e que a frequência nas mesquitas às sextas-feiras passe a ser maior que nas igrejas anglicanas aos domingos.

Esse declínio em número, entretanto, não deve dar a impressão de que o Reino Unido é um lugar sem Deus. Pelo contrário. Os muitos séculos de presença cristã criaram um tecido social reto e compassivo. A palavra “justo” é articulada em praticamente todo discurso público.

Os benefícios governamentais são generosos. Corrupção e injustiça são combatidas e punidas com seriedade perante o olhar público. Espiritualidade é buscada em secreto, mas os princípios e as virtudes cristãs são percebidos amplamente na vida pública.

Um projeto de pesquisas que a Equipe Global executou em 2010 revelou que uma das necessidades mais urgentes na Grã-Bretanha é a ajuda para alcançar crianças e jovens. À medida que a Igreja envelhece, novas estratégias que focam em crianças e jovens precisam ser encontradas, e obreiros com amor e paixão devem ser recrutados.

O Censo Britânico de 2011 revelou que há mais de 52 mil brasileiros residindo no Reino Unido. Fontes extraoficiais dizem que o número é quatro vezes maior, com a maioria morando na cidade de Londres. Alguns ganharam sua residência por nascimento; outros, por casamento, outros ainda, por meio da sua cidadania de algum país da União Europeia.

A mobilização desses brasileiros que têm uma visão missionária e já residem no país seria de imenso valor para a Igreja. Se esses brasileiros residentes vivessem seu compromisso por Jesus de forma missionária, o país seria impactado profundamente.

Todavia lamentamos que muitos desses estrangeiros que moram no Reino Unido disponibilizam tempo e esforços suficientes somente para ganhar dinheiro ou se divertir. Mas não podemos ignorar o fato de que existem igrejas de imigrantes brasileiros que são cheias de vida e causam um impacto significativo em suas comunidades. A Grã-Bretanha seria abençoada pela presença de mais obreiros do Brasil, competentes e dedicados. Sendo assim, missionários que forem chamados para esse tipo de serviço devem ter ótimo conhecimento da língua inglesa, falada e escrita, e uma disposição de aperfeiçoar o idioma até em nível de proficiência.

Somente assim vão se adequar aos rigores da sociedade britânica e se tornar capacitados para realmente colaborar com o avanço do Reino e ser frutíferos como estrangeiros no país. É importante ressaltar que todos os que foram enviados devem ter uma atitude de verdadeiros servos, demonstrando corações abertos para trabalhar com jovens, idosos, excepcionais e imigrantes.

Vale lembrar que o apoio financeiro deve ser apropriado, pois o custo de vida nesses países é alto. Uma vida reta e integridade pessoal são requisitos fundamentais para a ação de um missionário em qualquer campo, mas os britânicos têm um olhar aguçado em relação a isso. Eles manifestam pouca ou nenhuma apreciação por pessoas com caráter dúbio e egoístas. Precisamos de irmãos que venham trabalhar com alegria e amor pelas pessoas, trazendo o melhor do Brasil com eles, pois, se fizerem assim, serão amados e respeitados pelos britânicos.

Autor: Redação Povos e Línguas

comentarios