TRADUÇÃO DA BÍBLIA – POVO GOA

5 de dezembro de 2017     0

A ALEM está realizando, desde o dia 24/11, a consultoria de algumas porções de textos bíblicos para o povo indígena denominado Goa, do norte do país. Esse é o passo final do trabalho de tradução, que também envolve análise linguística, aprendizado da língua pelo missionário e linguista, proposta de ortografia, preparo de material didático, exegese e pesquisa.

Os missionários da ALEM estão se reunindo com três indígenas e uma consultora, que avalia a interpretação do texto pelo falante nativo com o objetivo de verificar a compreensão e a fidelidade às Escrituras. Toda tradução passa por esse processo antes de ser publicada. “O que fazemos durante as reuniões é realmente repassar toda a tradução em voz alta para que o indígena diga o que entendeu sobre o que foi lido. Assim, o consultor avalia e vai sugerindo correções”, comenta o missionário.

O consultor recebe os textos cerca de quatro meses antes de se reunirem para que possa verificar e enviar sugestões prévias aos missionários. Nesta semana, eles estão trabalhando nos textos de 2 Timóteo e Tito. “Seguimos com o desejo de que o povo não fique muito tempo esperando pela Palavra e possa orientar suas vidas através dela”.

O casal de missionários que serve com o povo Goa chegou à tribo por volta de 1990 e começou o trabalho de tradução em 2000. Os primeiros anos foram dedicados ao conhecimento da cultura, além da composição e proposta de uma grafia e de um alfabeto. Depois disso, eles alfabetizaram os indígenas e dedicaram muito tempo à escolarização. A equipe de tradução tem mais uma missionária que tem dedicado seu tempo ao preparo de material para discipulado e aos livros do Velho Testamento. Hoje, os indígenas contam com os livros de Gênesis, Rute, Jonas, Atos, Lucas e algumas porções narrativas de I e II Samuel. O projeto também foca na formação de uma liderança indígena e de co-tradutores nativos.

Os consultores costumam ser linguistas, que já trabalharam com tradução e têm experiência em campo missionário. Passam por treinamento, acompanham outras consultorias, para, mais tarde, se dedicarem a esse trabalho com excelência. Nesse quesito, a ALEM trabalha em parceria com a SIL Brasil (Associação Internacional de Linguística), formando uma grande equipe de linguistas e consultores.

Sobre a importância desse trabalho, nossos missionários afirmam: “o indígena deve ter a Bíblia na língua em que ele aprendeu a falar ‘papai’ e ‘mamãe’, porque essa é a língua que fala ao coração dele e, a partir dos ensinamentos bíblicos, eles podem criar uma consciência cristã, desenvolvendo sua fé e aprendendo a praticá-la”. A partir daí, a Palavra transforma vidas e o agir, fazendo com que até mesmo um povo guerreiro aprenda a amar o seu inimigo.

Foto e texto: Missão ALEM

Autor: Redação Povos e Línguas

Conteúdo missionário de referência sobre o que acontece no Brasil e no mundo.