Haiti, um país que ainda sofre

22 de junho de 2017     0

O terremoto Matthew que atingiu o Haiti em 2016 nas primeiras quatro horas do dia, chegou era noite, o pior momento para tal tempestade destrutiva, uma vez que, em meio ao caos a visão de tudo era dificultada pela escuridão.

Mesmo antes do furacão ter atingido o Haiti, as crianças sofriam altos níveis de vulnerabilidade devido à seca provocada pelo El-Niño, já eram consideradas pela proteção infantil preocupações a insegurança alimentar e desnutrição. A crise da cólera continuou, com um aumento nos casos suspeitos devido ao furacão. Na sequência do furacão, os mecanismos de enfrentamento da população e as capacidades do governo se tornaram limitadas. O furacão deslocou 175 mil pessoas para abrigos temporários e deixou 806 mil pessoas com extrema necessidade de assistência multisetorial para salvar vidas. Em 2017, cerca de 48.000 crianças menores de 5 anos ainda sofrem de desnutrição aguda grave, incluindo 18 mil ainda afetadas por situações humanitárias .


Em 2017, cerca de 48.000 crianças menores de 5 anos ainda sofrem de desnutrição aguda grave, incluindo 18 mil ainda afetadas por situações humanitárias.


As interrupções no acesso à água potável, higiene e saneamento adequados aumentam ainda mais o risco de doenças transmitidas pela água, incluindo a cólera. Entre outubro e dezembro de 2016, houve 7.803 casos suspeitos de cólera. Há uma crescente crise de proteção, especialmente para crianças órfãs em zonas afetadas pelo furacão e para crianças de origem haitiana que são repatriadas ou deportadas para a República Dominicana. As crianças também estão expostas a riscos decorrentes de interrupções na escolaridade.

  • 3.200.000 Total de pessoas afetadas pelo furacão;
  • 1.100.000 Crianças que precisam de ajuda humanitária;
  • 1.600.000 Adultos que precisam de ajuda humanitária;
  • 41.421 Casos suspeitos de cólera e 447 Fatalidades;
  • 12.000 Crianças em situação de vulnerabilidade;
  • 1.400.000 Pessoas que precisam de assistência;
  • 18.000 Crianças com menos de 5 anos em risco de desnutrição grave aguda;
Fonte: Unicef

Traduzido por: Redação

Autor: Unicef

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) está presente no Brasil desde 1950, apoiando as mais importantes transformações na área da infância e da adolescência no País.