Os Malaio Pattani

Por Redação Povos e Línguas     16 de maio de 2017     0

Por Wellington Barbosa

O sudeste asiático aguarda Isa Al-Masih

Plantadores de frutas tropicais, seringueiros e pescadores ameaçados por grandes navios pesqueiros de países vizinhos, os Malaio Pattani são um povo de origem malaia, que vive no Sul da Tailândia, na fronteira com a Malásia. Pattani tem origem na palavra malaia, petani, que quer dizer agricultor, o que condiz com seu estilo de vida e sua economia, que se baseia na pesca e na agricultura. É um povo que remonta sua história a um antigo reino malaio, proveniente da Malásia e da Sumatra, que se estabeleceu no que é hoje conhecido como Tailândia.

São orgulhosos de sua fé islâmica trazida pelos ancestrais e que orienta o seu modo de vida. Eles fazem questão de preservar a sua língua, o jawi, com escrita em caracteres árabes e sons malaios. Esse povo resiste, de forma perseverante, sendo eles uma minoria em um dos maiores países budistas do mundo.

Ser pattani é ser muçulmano. E apesar de terem disponíveis porções do Antigo e do Novo Testamento traduzidas, além do Filme Jesus e de materiais de evangelismo, apenas 0,01% de 1.013 milhão de pattanis conhecem Jesus. Isso os torna uma das maiores etnias muçulmanas não alcançadas do sudeste asiático.

Eles vivem em uma região de constantes conflitos com o restante do país e, por estarem longe dos centros administrativos, têm certa autonomia que, vez por outra, é fragilizada por incursões do governo budista. A situação gera desconforto e um clima tenso em regiões islâmicas do Sul da Tailândia.

Assim como no restante do país, o trabalho missionário é lento, e como em todo o mundo malaio, os pattanis que conhecem o Evangelho podem sofrer sanções e perseguições familiares por causa de sua fé, em Isa Al-Masih, (Jesus, como é conhecido entre povos muçulmanos). Apesar disso, muitos deles saem da Tailândia para estudar em universidades localizadas em países vizinhos. O movimento tem sido uma porta aberta para o contato de alguns pattanis com o Evangelho e com cristãos de origem muçulmana.

Os pattanis são hospitaleiros e vivem um sistema social de sultanato. Existe uma família real ligada aos primeiros malaios que chegaram àquela região. Mesmo vivendo em um território rico em minerais e gás natural, há conflitos na região e o desejo de autonomia, pois o governo central do país não investe na melhoria de vida desse povo. O isolamento limita os nativos a uma condição de mera sobrevivência, sem grandes avanços sociais.

Não há brasileiros servindo entre eles. É preciso orar para que Deus levante missionários e que os pattanis que saem para estudar em outros países possam ser alcançados pelo Evangelho e voltem como sal e luz para as suas famílias.

 

Autor: Redação Povos e Línguas

comentarios