Não ignore o óbvio!

21 de junho de 2017     2 Comentários

Servir em Missões por meio da fotografia realmente é um privilégio, especialmente pela oportunidade de circular pelas mais significativas organizações missionárias do Brasil captando imagens de Missões da Amazônia ao Sertão Nordestino, conhecendo diferentes vilarejos, vilas, cidades e estados. E depois, compartilhar essas imagens com o mundo, no intuito de despertar outros a participar, contribuir, apoiar e ir. E por mais “simples” que  esse trabalho possa parecer, é incrível como são muitos os que ainda não entendem, simplesmente por ignorar o óbvio. Mas o que é óbvio?

Praticamente toda viagem missionária da qual participo, é significativo o número de pessoas que me perguntam se sou fotógrafo de casamento, se sou fotógrafo de alguma revista, se tenho agência de publicidade, quanto cobro para fazer as fotos, dentre muitas outras perguntas por meio das quais tentam encontrar uma justificativa para que eu estar ali tirando fotografias de modo profissional. E tudo fica mais confuso, quando respondo que sou Engenheiro Civil e faço a doação de todas as fotografias para as organizações, por se tratar de um ministério, ou seja, que não faço por dinheiro e sim de forma voluntária. Foi nessa hora, que percebi que todas essas perguntas a mim dirigidas, refletiam que o óbvio era ignorado. Mas o que é óbvio? Simples assim: Um cristão que se dispôs ao Senhor para servir em missões no que era necessário. Haja vista, que comunicação visual através da fotografia, é uma grande demanda no contexto missionário.


“Mas o que é óbvio? Simples assim: Um cristão que se dispôs ao Senhor para servir em missões no que era necessário. Haja vista, que comunicação visual através da fotografia, é uma grande demanda no contexto missionário.”


Sendo assim, comecei a me perguntar e tentar responder o motivo pelo qual esse óbvio é ignorado. E com o olhar direcionado na busca dessa resposta, percebi que muitos têm a falsa premissa que para servir em missões seja mandatório ter alguma habilidade específica, ser um profissional de saúde ou de outra área, ter algo que o diferencie, para começar a servir a Deus no avanço da Grande Comissão. Esse é um pensamento errado, que somente conduz a ignorar o óbvio, que para servir a Deus, basta se dispor a fazer o que for necessário.

E a partir desse momento, pude observar que independentemente de qual fosse o lugar que estava do mundo, ainda é grande o número de cristãos que deixam de servir em missões por não se achar “habilitado” para isso, por ignorar que para servir a Deus basta apenas se dispor.

Assim, explico para muitos que o ato de servir através da fotografia, não se resume em apenas tirar fotos. Em todas as viagens missionárias das quais participei fazendo o registro fotográfico, também tive o privilégio de evangelizar adultos, adolescentes, crianças, fazer parte da escala de lavar a louça, de lavar o banheiro, carregar equipamentos, limpar instrumentos, tocar no louvor, dar estudos e até cantar cânticos no louvor. Ou seja, não se trata apenas de  fotografia, consiste em  ter o coração disposto para servir ao Senhor no que for necessário. Sim, eu poderia apenas tirar fotos, mas se assim eu fizesse, estaria fechando todas as portas que Deus estava abrindo para servi-lo.

Talvez esse seja o legado que pretendo deixar. Que antes da fotografia, dos cursos que fiz, de toda capacitação que busquei, de todos os equipamentos que comprei, das icônicas fotos que tirei, sempre existiu um coração disposto para a Grande Comissão. É isso que me faz um melhor fotógrafo em missões, por não estar acorrentado à fotografia, mas ao ato de servir. Deus quer e deseja muito mais um servo disposto, do que o melhor fotógrafo que eu possa ser.

Servir a Deus é um privilégio árduo de ser vivido, porém imensuravelmente  prazeroso. Se disponha!

 

Autor: Odair Massao

Atua na área de comunicação, fotojornalismo e design, através do ministério MASSAO EM MISSÕES. Tanto nos projetos missionários da igreja local, como nas organizações como Junta de Missões, Asas de Socorro, Palavra da Vida, Amazon Outreach, JUVEP, dentre outras. Formado em Engenharia Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, com mais de 16 anos de experiência em Gerenciamento de Obras e Projetos (Project manager).