QUANDO GLORIFICAR A DEUS SIGNIFICA ESTAR EM ÚLTIMO LUGAR

6 de setembro de 2017    

Já aclamado como um dos melhores momentos de boa atitude no esporte dos Jogos Olímpicos, o comportamento de Abbey D’Agostino nos 5000m feminino será lembrado nos próximos anos.

Não porque ela ganhou. Não porque ela terminou a prova, apesar de estar lesionada. Mas porque ela pensou na sua adversária em primeiro lugar.

Quando a corrida começava a se mover para a parte final, Abbey e Nikki Hamblin trombaram e caíram no chão. Abbey levantou-se, mas vendo que Nikki ainda estava no chão, ela voltou em direção a Nikki e disse: “Levante-se, levante-se, temos que terminar isto.” Ela ajudou Nikki, embora ela mesmo estivesse lesionada. Ela continuou bravamente para terminar a corrida, e para tocar os corações de pessoas do mundo todo. Acontece que Deus tem preparado Abbey para um momento como este.

“Embora minhas ações foram por instinto, naquele momento, a única maneira como posso entender isso é que Deus preparou o meu coração para responder dessa maneira”, disse ela. “Esse tempo todo aqui, Ele deixou claro para mim que minha experiência no Rio iria ser muito mais do que o meu desempenho na corrida – e assim que Nikki se levantou eu sabia que era Ele.”

Nos primeiros anos do Abbey, sua vida estava voltada para realização e sucesso, tanto em termos acadêmicos, quanto no atletismo. Para ela era necessário ganhar constantemente para ter o seu lugar. Mas Deus mudou a vida de Abbey.

“Deus tem me levado a uma viagem sem precedentes,” Abbey disse uma semana antes de sua corrida. “Eu sinto que eu tenho aprendido muito através desta primavera… tive uma série de altos e baixos, mas não teria aprendido nenhuma das lições que aprendi e teria chegado a tal familiaridade e compreensão de Cristo sem a maneira como aconteceu. Tem sido uma temporada de esperas e incerteza, como me recuperar de lesões, isso tem realmente exposto ao meu coração o meu relacionamento com a corrida. ”

Através destas experiências, Abbey percebeu o lugar que a corrida tem em sua vida, e ele é depois de Cristo. O que ela mais quer é que Cristo seja o primeiro em sua vida. Quando perguntada sobre como uma atleta olímpica bem sucedida deve se parecer, Abbey respondeu: “Eu espero que essa minha experiência aqui tenha sido um reflexo disso.”

Abbey tem se envolvido com Atletas em Ação, o que tem sido significante em sua jornada com Cristo. Ao conversar com um capelão de AEA na Vila Olímpica , ele disse a ela: “Não sabemos se o dia de sua corrida será uma Sexta-feira Santa ou um Domingo de Páscoa. Esperamos que seja um Domingo de Páscoa, mas se não for, não é o fim.” Estas palavras certamente reforçaram ela para tal atitude nestes últimos dias.

Por Stacie Flatcher (Cru Staff nos Estado Unidos) | Traduzido e Adaptado por André Dickson

Autor: André Dickson

Formado em Tecnologia em Redes de Computadores, é envolvido com ministério de esportes desde 2009. Em 2014 formou-se na Escola Internacional de Liderança Esportiva (África do Sul) e se juntou ao time de AeA em fevereiro de 2015. É responsável pelas estratégias de comunicação da missão, e também contribui na área de treinamento.